Densitometria Óssea

Densitometria Óssea

A densitometria é um método que se utiliza de baixíssimas doses de raios x para a análise da composição corporal. Este exame consegue quantificar quanto do nosso peso é composto por três componentes principais: massa óssea, massa muscular e massa gordurosa. O aparelho que nos utilizamos é o Discovery WI , da Hologic, um dos maiores fabricantes do mundo. O Discovery utiliza-se da plataforma Apex, que permite uma excepcional precisão, com margem de erro menor que 1%. Elimina também erros de sobreposição do feixe e distorções da imagem. Outra grande vantagem é a possibilidade de armazenamento de todos os exames por tempo indeterminado. Deste modo, podemos sempre fazer comparações e saber da melhora ou piora da quantidade de cálcio.

AVALIAÇÃO DA MASSA ÓSSEA – OSTEOPOROSE – (DENSITOMETRIA ÓSSEA)

Quando avaliamos a massa óssea, estamos realizando a conhecida densitometria óssea. Até cerca de 35 anos, nós acumulamos massa óssea (cálcio). Quanto mais conseguirmos acumular cálcio nos ossos durante a juventude, melhor. A partir desta idade começamos a perder cálcio. Se tivermos uma vida saudável, com exercícios físicos, boa alimentação (rica em cálcio), evitarmos álcool, refrigerantes e principalmente o fumo, retardamos o ritmo da perda de cálcio. No entanto, a perda de cálcio pode ser mais acelerada por várias causas, como menopausa, falta de sol, excesso de álcool e tabagismo ou doenças e medicamentos. O conjunto destes fatores conduz à osteoporose com a fraqueza dos ossos e fraturas. A osteoporose é uma epidemia silenciosa. Muitos desconhecem, mas as fraturas do fêmur e coluna imobilizam os indivíduos e trazem complicações que as tornam importantes causas de morte em idosos. As mulheres são as mais afetadas pela osteoporose, principalmente após a menopausa. A densitometria óssea é utilizada para se fazer o diagnóstico precoce da osteoporose – neste caso pode haver necessidade de tratamento – e também para avaliar se um tratamento está sendo eficaz , pois comparando os resultados dos exames, podemos saber se o osso está ficando mais forte. Se não, o médico pode mudar as orientações.

As principais indicações para o exame de densitometria óssea são:

  • Mulheres com idade igual ou superior a 65 anos e Homens com idade igual ou superior a 70 anos.
  • Mulheres na pós-menopausa, ainda que abaixo de 65 anos, e homens entre 50 e 70 anos de idade, com fatores de risco.
  • Homens com idade inferior a 70 anos e com fatores de risco para fraturas.
  • Adultos com histórico de fratura por fragilidade, doença ou condição ou medicamentos associados à baixa massa óssea ou perda óssea.
  • Pessoas para as quais são consideradas intervenções farmacológicas para osteoporose.
  • Indivíduos em tratamento para osteoporose, para monitorar a eficácia do tratamento.
  • Pessoas que não estejam realizando tratamento, nas quais a identificação de perda de massa óssea possa determinar a indicação do tratamento.
  • Mulheres com idade entre 40 e 50 anos no período de transição menopausal com fatores de risco para fraturas .

AVALIAÇÃO DAS MASSAS MUSCULAR E GORDUROSA – ATLETAS E OBESOS – (COMPOSIÇÃO CORPORAL)

A densitometria é, atualmente, o melhor exame para verificar a porcentagem de gordura no corpo. Pessoas com alto porcentual de gordura tem mais chances de desenvolvimento de várias patologias como câncer, artrose, diabetes, doenças cardiovasculares etc. Utiliza-se bastante o IMC (índice de massa corporal), que relaciona o peso e a altura para determinar se a pessoa é obesa. Ocorre que o IMC não consegue distinguir a quantidade de gordura do indivíduo. Pessoas com peso normal podem ter um grande porcentual de gordura, sendo consideradas falsos magros. Estes indivíduos merecem uma orientação especial para dieta e exercícios. Os obesos em tratamento devem reduzir não somente o peso, mas principalmente diminuir a gordura. As medidas da espessura do subcutâneo, comumente realizadas, são muito úteis, mas não atingem a precisão da densitometria para a avaliação da composição corporal.

Os atletas amadores e profissionais que procuram maiores detalhes do resultado de seus treinamentos recorrem ao método para mensurar a melhora de sua composição corporal. Espera-se um aumento da massa muscular e redução da gordura corporal, mesmo que o peso se mantenha inalterado. Muitos clubes de futebol de ponta e atletas olímpicos utilizam rotineiramente a densitometria porque sabem que a margem de erro para avaliação da porcentagem de gordura é baixíssima (em torno de 0,9 %).

Veja as situações e doenças que podem ser beneficiadas por meio de uma avaliação da composição corporal:

  • Atletas em programa de treinamento físico;
  • Indivíduos não atletas em programas de condicionamento físico e dietas alimentares;
  • Atrofia muscular por desuso (inatividade física);
  • Distúrbios alimentares: anorexia, bulimia, obesidade;
  • Lipodistrofias – Deficiência de hormônio de crescimento, SIDA, Deficiência de hormônio da tireóide,etc;
  • Insuficiência Renal Crônica;
  • Crescimento e desenvolvimento;
  • Neoplasias;
  • Doenças intestinais com diarréias frequentes;
  • Pós fraturas – perda de massa muscular.

Densitometria Óssea

Condição: Imprimir

SE HOUVER SUSPEITA DE GRAVIDEZ, O EXAME NÃO PODERÁ SER REALIZADO.

Evite tomar medicamentos com cálcio pelo menos cinco dias antes do exame. Se você fez exames contrastados com iodo, bário ou medicina nuclear, espere por pelo menos uma semana.

Procure usar vestimentas sem metais ou botões nos locais examinados (região abdominal e bacia). Pacientes grávidas não podem realizar esse exame. O limite de peso do aparelho é de 100 Kg.

É necessário agendamento prévio. Caso o exame seja agendado por telefone, por favor, tenha em mãos os dados do paciente, bem como o número de carteirinha do convênio.

Telefone: (16) 3303-5300     E-mail: contato@multimagem.com.br      Endereço: Av.Barroso, 601 Araraquara

Densitometria óssea (avaliação de osteoporose)

Densitometria Corpo Inteiro (composição corporal)

Fotos do exame

    Densitometria Óssea

Fotos do exame

    Densitometria Óssea